O vinil vai sair da caixa para ser mais barato

Por Thales de Menezes

Talvez seja a hora de parar de comprar LPs raros nos sebos, por preços salgados. Muitos deles devem voltar em novas edições nos próximos meses. O mercado de relançamentos em vinil, depois de algumas temporadas dominado por edições de caixas luxuosas, dessas com livrinho, camiseta e pôster incluídos, vai mudar de cara. A discussão entre as gravadoras, soprada em eventos corporativos nos Estados Unidos e Inglaterra, é que a hora parece ser ideal para apostar nos discos individuais dos catálogos do artistas veteranos (ou mortos).

Há uma pressão dos próprios lojistas. Um box que resgata a carreira de um artista, ou pelo menos alguma fase dela, sai caro. Muitas lojas estão, quando podem, desmantelando as caixas e vendendo os LPs separadamente. Melhor tentar vender um ou outro vinil por US$ 15 do que um box com 12 LPs a R$ 250. O Brasil ainda tem uma situação pior. Um LP novo importado pode chegar a R$ 180, então não sobra coragem para peguntar o preço de alguma caixa por aqui.

O box ainda terá um bom espaço, principalmente como lançamento póstumo. Caixas de David Bowie e Prince, mortos no ano passado, fazem muito dinheiro. Mas as mortes de outros artistas também em 2016 turbinaram as vendas dos LPs já reeditados separadamente. Exemplos são George Michael e o trio Emerson, Lake & Palmer (Keith Emerson morreu em março; Greg Lake, em dezembro).

*

 

 

NOVINHAS – Parecem irmãs, mas as britânicas Jenny Hollingworth e Rosa Walton são amigas da infância e formam o duo psicodélico e divinal Let’s Eat Grandma

 

*

 

Modernidade #2 – Quem é realmente um verdadeiro fã de rock de vanguarda precisa ter em casa um vinil empoeirado de “My Life in the Bush of Ghosts”, disco lançado em 1981 por David Byrne e Brian Eno. Essa usina de ideias sonoras, que não se parece com nada na história do rock, vai ganhar continuação, anunciou Byrne no sábado (13). Os dois estão no estúdio. De roer as unhas.

Lá fora – A banda brasileira Ego Kill Talent vai fazer no dia 20 de junho o show de abertura da apresentação do System of a Down em Nimes, na França, em data da turnê europeia do grupo americano. O mesmo palco já recebeu Metallica, U2, Muse e Guns N’ Roses.

Hermanos – Depois de dez anos seguidos em Montevidéu, o Festival Contrapedal ganha edição brasileira nos dias 8 e 9 de julho, no Centro Cultural São Paulo. Entre as atrações já confirmadas, nomes descolados para público idem: Jaloo (Brasil), Franny Glass (Uruguai), Miss Garrison (Chile) e Edson Velandia (Colômbia). O evento terá também filmes e uma feira gastronômica.

Cruz credo! – Nick Mason, 73, baterista do Pink Floyd, se ofereceu para tocar em shows de Harry Styles, 23, ex-One Direction agora em carreira solo. Em programa da TV inglesa, disse que algumas coisas no primeiro álbum de Styles “soam um pouco Pink Floyd”!